Pular para o conteúdo principal

Ciúmes de Você

Voltando ao tema relacionamento familiar,especificamente entre irmãos visto que para mim é de grande relevância e importância pelos motivos já abordados em postagens anteriores.
Assim,estou convicta de que as relações instaladas entre dois irmãos constituam uma excelente academia para se aprender a se conhecer melhor e se relacionar também melhor com o mundo lá fora do circuito familiar.Abro aqui um parêntese reflexivo sobre um dos inúmeros aspectos que aparecem nesse cenário- o ciúme-que frequentemente e,quase inevitavelmente,uma criança experimenta em confronto ao irmãozinho ou irmãzinha menor e que às vezes assume as características de um verdadeiro e próprio drama.
   Porém,vamos por partes,isto é,do início,de quando se começa  a sentir essa sensação que pode se tornar realmente devastadora.Andei lendo e pesquisando sobre o assunto e parece que não existe uma idade padrão para todos.'Joãozinho',por exemplo,quando a mãe lhe diz que terá um irmãozinho com quem poderá brincar,responde decidido:-"Eu não quero ter um irmãozinho!Mande-o de volta pra casa dele!"A mãe o coloca nos braços e começa a cantarolar,abraçá-lo e beijá-lo dizendo:"Você é o amor da minha vida!"E ele não perde tempo em replicar:"E ele é o amor da mãe dele!"Isso sim é que é uma crise de ciúmes preventiva penso eu que assisto na sala de espera do consultório pediátrico esta cena aparentemente cômica,mas que traz uma profunda reflexão de fundo.Recorro como habitualmente faço,as minhas lembranças pessoais e percebo como para mim foi traumática a chegada de um irmão.Por quase quatro anos eu era o centro das atenções ,não apenas dos meus pais,mas também de avós,tias e tios.Na época era a única criança pequena da família.Basta dizer que ainda hoje lembro do vestidinho que usei para a visita na maternidade e do beliscão que dei no bracinho dele só pra acordá-lo porque queria ver se o menino chorava.Já do meu primogênito recordo que a primeira vez que viu a irmãzinha ,ainda no hospital,ficou por alguns instantes calado,mantendo-se distante da cama só a olhá-la nos meus braços,a minha mãe que esteve conosco dando uma preciosa ajuda naquele período do puerpério,o chamou para se aproximar e tocá-la.Ele tinha pouco menos de três anos,mas parecia um homenzinho cheio de cuidados nos dias que se seguiram em casa.Todavia, nesses anos de convivência fraterna,nem tudo tem sido só flores e risos.Não conto as inúmeras situações em que flagramos os dois a disputar por um mesmo brinquedo,pela mão do papà ou da mamma nas saídas juntos,enfim, a estratégia que adotamos é simples: aquele contentado hoje deverá ceder a vez ao outro amanhã e parece que tem dado certo.Cada caso é um caso e haja paciência para nós pais nessa maratona de educar.
Fator preponderante é sempre o diálogo dentro de casa,a preparação durante a gravidez,a atenção que naturalmente é diferente de um filho para outro,dependendo da circunstância,mas sem esquecer que ambos merecem o mesmo afeto e respeito dos próprios pais. 

Comentários

Georgia Aegerter disse…
Amiga, parece que vc acertou na mosca. Aqui em casa estamos vivendo o terror do ciúme. Fiz tudo isso, preparando o Daniel para o nascimento da irma. Ele nao queria uma irma e sim um irmao para brincar. Por isso procuramos saber o sexo antes para prepará-lo, pois o meu sentido era que seria menina e dito e feito. Qdo ela nasceu e ele foi ao hospital a primeira coisa que ele disse foi: Nao tem jeito de devolvê-la de onde ela veio?
A colocamos nos bracos dele e lhe mostramos que ela nao poderia retornar e que filhos sao presentes de Deus para nós.
Embora ele seja amoroso eles estao na fase da concorrencia. Como ele nao é bom estudante na escola e ela aplicadíssima, ela tira as notas que ele queria. O pior é que nao podemos elogiá-la na frente dele pois ele vira uma fera.
A fase é da aborrecencia, 13 anos e emboras os livros de psicólogos e educadores nos afirmam que filhos com pais presentes e atuantes a fase é mais leve. Tudo o que sei é: tanto faz o que se faca essa fase chega e é como "Sandy" o furacao. Eles conseguem derrubar qqr teoria. O negócio mesmo é ficar atenta, em oracao, buscando sabedoria e discernimento para que a coisa nao fique pior. Ontem foi um dia desses por aqui e ele entrou online na conta dela onde ela lê livros em casa e depois tem que responder as perguntas para a contagem de pontos para a escola dela, enquanto ela foi ao banheiro ele desativou o livro e ela recebeu pontos zero, tive que explicar a professora como anda o relacionamento por aqui entre os irmaos para que ela pudesse reativar a conta do livro.

Enfim amiga, quando a aborrecencia chegar por ai, nao vai ser nada diferente.rs.

Um grande beijo

* Te passei um email sobre aquela historia que vc me enviou. Vê lá.
Mona Lisa disse…
Quando a família cresce com a vinda de mais um filho a integração da criança mais velha nos preparativos e nas rotinas do recém-nascido é ,a meu ver,o meio mais eficaz de reprimir o ciúme, já que a criança se sente importante e necessária nessas tarefas.

Depois de mais crescidinhos cabe aos pais demonstrar com carinho que não há super-valorização de um ou outro, mas que os dois são importantes.

Beijos.
EDER RIBEIRO disse…
Bergilde, o ciúme é corriqueiro aqui em casa, mas saudável. Na minha infância eu não tive tempo de ter ciúme, pois meus país tentaram dar um irmão e ano após ano só nascia menina. Bjos.
✿ chica disse…
Aqui em casa foi pouco o ciúme, pois nem deu tempo. E 5 anos apareceram os 4,sr e só na última gravidez a mais velha apresentou ciumes, normais e logo contornados! beijos,chica
Um brasileiro disse…
Olá. Por aqui estive. Dei uma olhada e tamb´rm lida. Legal. Apareça por la. Abraços.
Anne Lieri disse…
Bergilde,um texto muito apropriado e que se fala pouco,mas há muitos casos de irmãos enciumados por aí e que deixam os pais maluquinhos!...rss...adorei a sua solução final!Boa tática revesar!bjs e meu carinho,
Luís Coelho disse…
Estes assuntos são da maior importância.
Quando não é pelos filhos poderá ser adoptado para tratamento e educação dos netos.

Parece-me que aos pais cabe sempre a responsabilidade de fazer amar os mais novos ou os mas velhos. O ciume destrói as famílias e os pais têm de agir desde a primeira hora ensinado entre todos o amor e o respeito.

Relativamente ao meu Zé da Ribeira não me cabe julgar ninguém. A situação de filhos fora do casamento era quase comum.
Parece que devia ter feito uma aproximação ao filho. Outras mentalidades....
Élys disse…
Educar é um aprendizado constante. Desde os primeiros anos da criança o diálogo deve estar sempre presente...
Um abraço.
Élys.
Tucha disse…
Perfeito... concordo com vc a família é o espaço onde aprendemos a nos relacionar e os pais têm um papel essencial nesta "educação relacional", conversando, explicando cada decisão tomada, preparando para chegada do novo irmão, não estimulando o ciúme entre os irmãos...
Mariazita disse…
É isso mesmo, cada pessoa é uma pessoa, com sua personalidade própria e sua maneira de ser.
Não me recordo de alguma vez ter sentido ciúmes de meus irmãos, ou deles em relação a mim.
Já com os meus filhos é diferente. A segunda, uma menina, nunca foi "vítima" do mais velho, um menino. Mas quando chegou a terceira... a coisa ficou feia. A do meio tinha muitos ciúmes da mais nova (ainda tem, apesar de ela própria já ser mãe de 4 filhos...). Sempre teve a mania de que eu gostava mais da caçulinha do que dela, o que não era verdade... É mesmo a sua maneira de ser. Nada a fazer :)

Um bom fim-de-semana. Beijinhos
AC disse…
Bom senso, sabedoria e... muito amor, é o que ressalta da sua postura enquanto mãe e educadora.
Gostei muito de a ler.

Beijo :)
✿ chica disse…
Voltei pra agradecer teu carinho e desejar uma linda semana! beijos,chica
Anne Lieri disse…
Bergilde,passando para reler seu texto e tb agradecer o seu carinho!bjs e boa semana!
LUCONI disse…
Bergilde estou lendo e relembrando dos meus, sabe até hoje a menina do meio tem 32 anos sente ciúmes dos irmãos, o mais velho com 34 e a mais nova com 18, incrível como ela ainda é infantil, coço a cabeça para entender, mas faço de um tudo para não despertar tal ciúmes, gostaria de ter a receita para curá-la, obrigada pelo carinho em minha página, você sempre presente com mimos para o meu coração, beijos Luconi
Georgia Aegerter disse…
Passando para um abraco
Catia Bosso disse…
O meu irmão ainda fez o favor de nascer no meu aniversario... e nunca mais tive um dia só pra mim rsrs Mas superei...

Legal seu texto.

BjsMeus
Catita