Pular para o conteúdo principal

Uma pausa na inquietação da vida

*Será a felicidade uma pausa na inquietação da vida? 
Nunca esqueço desta frase que ouví já faz um tempinho,mas que ficou gravada na tela da minha lembrança como uma evocativa recordação de dizeres mágicos.A pausa representa a trégua momentânea da constante agitação da vida moderna,o alheamento de tudo,dos afazeres,dos problemas familiares,dos ruídos de fora,e que nos traz,ainda que por instantes passageiros,despreocupação,agradável sensação de tranquilidade e paz.Contudo,todo o conceito de felicidade nunca se apresenta completamente definido.Ela,como o amor é muito mais sentida do que traduzida,cada pessoa a imagina a seu modo,de acordo com seus próprios princípios e estilo de vida.Há quem se julgue feliz por muito pouco,há quem se sinta feliz vendo outros(in)felizes,tudo depende do referencial de cada um,daquilo que cada um de nós crê e pretende para a própria vida.
Diz-se que a felicidade raramente é duradoura,nem pode ser constante no nosso mundo cheio de disparidades e incompreensões.Contudo e certamente momentos felizes compensam a canseira alongada dos nossos dias.
Não conto as vezes em que meus filhos no momento de parar o jogo,a brincadeira que estão fazendo, quando chega a hora das refeições ou de dormir por exemplo,(geralmente em torno às 20:30 já estão se aninhando cada um na sua cama),se lamentam,murmurando as suas justificativas para continuarem a brincar pois estão felizes e a mamãe ou o papai têm que impor esse limite sem fazer grandes concessões.Dar um 'não' aos filhos em certas situações é necessário e pode ser fundamental na formação da criança,não tirando dela o bem-estar e a segurança de que precisa pra ser feliz.
Passando a uma reflexão mais crua da realidade percebemos que nos últimos anos os suicídios,indicadores de um mal-estar mais generalizado,no nosso continente aumentaram drasticamente(basta acompanhar as notícias de crônica cotidiana nos jornais e tv).O que acontece?Por que ao bem-estar material se acompanham melancolia,infelicidade,incapacidade de dar um sentido à própria vida?Culpa da crise econômica associada ao ‘stress’ moderno,dizem alguns analistas espertos para justificarem o porquê de certos comportamentos...jovens cada vez mais jovens todas as noites lotando os bares nos centros das grandes cidades a falar de nada,bebendo um aperitivo,frequentemente sem nenhuma idéia de como vão concluir a noitada,e o pior,sem objetivo na vida.Uma alarmante constatação de outro fenômeno muito perigoso  que aflige nossos tempos.
Seguramente,a infelicidade,a incapacidade de dar um sentido à vida e,infelizmente,muito frequentemente o suicídio,são também ,ou sobretudo talvez,o resultado de um dramático vazio de ideais e de valores. 
Por outro lado é possível afirmar que humanamente não se pode dar felicidade a quem quer que seja,mas apenas alegria,aquela precisará ser conuqistada mediante esforço individual por merecê-la.É possível sim oferecer ajuda,seja no âmbito material(quem pode e quer),um ombro amigo(este todos podemos),mas pessoalmente acredito que a felicidade no seu sentido mais puro,mais completo vem realmente de dentro de cada um,sem a interferência de outrem.
Enfim,a prática do bem pode conduzir a cada um de nós à conquista da felicidade,nos empenhemos pois,pelo seu almejado alcance dentro e fora da nossa zona de conforto,com espírito de perseverança,força de vontade e coração.Às vezes aquilo que julgamos irrisório pode significar tanto para nosso próximo.

Comentários

✿ chica disse…
Bergilde, adorei te ler e ver tuas reflexões. A felicidade é feita de pequenos momentos que devem ser valorizados. Mas, infelizmente, nem aos filhos, podemos dar felicidade. Podemos transmitir a que em nós está! E pena ainda, tantos que nem sabem perceber que com pequenos gestos podem ser mais felizes e optam por caminhos outros... bjs praianos,chica
Mariazita disse…
Bom dia, querida amiga
A minha modesta incursão no campo da poesia deu origem a um post que publiquei hoje, dia 30.
Devo continuar? É melhor desistir? Qual é a tua opinião?
Aguardo-te na minha «CASA», para te pronunciares…
Obrigada.
Beijinhos

PS - Gostei muito de sua reflexão.
Por alguma razão se diz que a verdadeira felicidade é feita de pequenos momentos felizes.
Denise Rangel disse…
Oi, Bergilde. Vim conhecer seu espaço e me e encantei! Penso que o ser humano, tantas vezes, confunde pequenos prazeres com momentos felizes. No entanto, passados estes, a tristeza, a solidão e outros sentimentos vazios retornam. Creio que a felicidade é interior e independe de alguém ou de algo externo.
Beijo, menina
Mariazita disse…
Obrigada, querida amiga.
Pois então teremos que fazer uma visita recíproca no dia 14 :)
Cá estarei.

Beijinhos
Anne Lieri disse…
Aplausos pra vc,Bergilde!Eu adorei seu texto! Falar sobre felicidade é dificil e vc abordou o tema com grande profundidade e clareza.É mesmo uma pena que hoje em dia vemos tantos jovens sem objetivo,entediados da vida e se sentindo infelizes. Creio que a maturidade traz a felicidade e espero que eles cheguem lá sem muitos traumas pelo caminho. bjs,
Mona Lisa disse…
A felicidade somos nós que a fazemos ao valorizar os pequenos momentos.

Há um provérbio que diz:

" O passado é apenas um sonho, o futuro uma visão.Mas o presente bem vivido torna o passado um sonho de felicidade e o futuro uma visão de esperança.Por isso preste atenção ao dia de hoje."

Temos o dever de transmitir aos nossos filhos ensinamentos que um dia os façam felizes.

Adorei o texto.

Beijinhos.
Tucha disse…
Como sempre as suas reflexões são ponderadas e nos fazem pensar.Certamente precisamos destas pausas não apenas para relaxar, mas para refletir sobre o que estamos fazendo com a nossa vida, e buscar transformações.
Pérola disse…
Eu acredito que há momentos de felicidade. Nunca um estado eterno ou permanente.

Deve ser para dar valor a ela.

Beijinhos
Luma Rosa disse…
Oi, Bergilde!
Pra mim, a felicidade é sinônimo de paz.
O suicida não está em paz, ele sente desamor, como se fosse um avulso no mundo. E a depressão vem devagarinho sem que percebamos e ninguém está imune à ela e por isso nos fortalecer emocionalmente, nos cercando de pessoas positivas e bons pensamentos. As crianças são como esponjinhas absorvendo tudo que acontece ao seu redor e se algo não fica bem resolvido, poderá carregar no inconsciente espinhos que no futuro afloram. Ter um lar tranquilo e com uma rotina estabelecida, traz conforto psicológico. Os limites dão esteio e segurança. Parabéns, Bergilde! Você é uma ótima mãe!
Boa semana!!
Beijus,
Élys disse…
A felicidade é feita de momentos bons que precisamos valorizar mais, pois sempre há um lado positivo em tudo que nos ocorre. Um dia estaremos mais evoluídos e a felicidade será uma constante.
Beijos.
Élys.