Pular para o conteúdo principal

A Festa do Amor

A festa do amor não pode ser considerada apenas mais uma comemoração prevista no nosso calendário variando a data de país a país e que acontece somente uma vez no ano, porque o amor em si significa uma grandíssima festa, dia após dia, hora após hora, minuto a minuto, a cada instante o amor é imensidão!
São momentos únicos, mágicos, de eternidade, gratuidade, serenidade, alegria, paz, respeito, totalidade, elegância, força e coragem nas dificuldades. É simplesmente sonho que se torna realidade, plenitude e muito mais que o vocabulário da vida consiga expressar para sua definição. 
Na verdade não se pode limitar o significado do amor com palavras, com um só pensamento, pois infinitas são as facetas desse sentimento...
Certa vez ouvi de alguém que o amor seria o encontro entre duas doenças que se completam. Fiquei a refletir sobre o sentido de tal afirmação que assim dita me parecia até um referimento a uma enfermidade, distorção de tudo o que para mim poderia ser. Ao indagar sobre o porquê daquela afirmativa, me foi explicado que cada um de nós tem tendências a cultivar nos nossos relacionamentos afetivos a partir daquilo que vivenciamos na infância com nossos pais e que, em geral, nos apaixonamos  por aquela pessoa a quem pensamos de poder vertê-los, por exemplo, se uma pessoa é inclinada a cuidar de alguém, a combinação perfeita é encontrar outra que gostaria de ser cuidada. Pessoalmente não me convence bem a tal explicação. Creio que o 'Amor' (com A maiúscula) seja um dom do céu e por trás de todas as teorias científicas que tentam racionalizá-lo percebo pouca gratuitade e muita utililidade. O verdadeiro amor não usa o outro: quem ama deseja a felicidade do seu amado(a), sabe escutar e não projeta os próprios intentos a fim de mudá-lo(a) e ou moldá-lo a seu bel prazer. Quem não sabe considerar os afetos, a família, amizades que naturalmente eram presentes na vida do outro antes da sua chegada, quem pretende separar ao invés de unir, dá evidentes sinais de imaturidade e egoísmo que em nada se relacionam com a grandiosidade do genuíno amor.   
Ama-se pelo que a pessoa é nas suas especificades com todas as suas qualidades e defeitos, na sua beleza, mas também nas suas fragilidades. Quem ama se entrega por inteiro ao outro, porém  não esquece e tampouco deixa de cuidar de si mesmo, amor nunca foi nem será sinônimo de dependência, exclusão.  
Reciprocidade, enfim, afinidades de gostos, carinho, paixão, sem deixar de lado o uso da razão em busca de objetivos comuns. Caso isto não seja possível de ser realizado com determinado alguém, tanto vale é melhor esperar, ficar 'sozinho', de bem consigo mesmo, com a vida e o mundo ao redor pois, como diz o dito popular: há sempre alguém a esperar por outro alguém. Assim, não é necessário se precipitar numa história fadada ao falimento já na sua partida.